Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

GO CAROL

BEM-ESTAR, FITNESS, COZINHA OVOLACTOVEGETARIANA E A MINHA VIDA NO GERAL (E ÀS VEZES NO PARTICULAR)

GO CAROL

BEM-ESTAR, FITNESS, COZINHA OVOLACTOVEGETARIANA E A MINHA VIDA NO GERAL (E ÀS VEZES NO PARTICULAR)

Sab | 10.03.18

Porque é que deixaste de comer carne?

Tinha eu 15/16 anos e estava a almoçar um bife panado misto. Não sei se isto ainda se usa ou não, mas há cerca de uma década era uma coisa fixe. Já não era fã de carne. A única que comia era frango e peru. De vez em quando comia carne vermelha picada, que sinceramente não sei o que era. Era aquela que se usa para a bolonhesa. Mas não era algo que gostasse particularmente. Comia porque tinha de ser, porque a avó dizia que precisava de comer para crescer, que se não comesse morria, se não comesse ficava doente, se, se, se. E com os pais a mesma coisa. Tinha de comer porque tinha. Nem havia grande motivo.

 

Mas voltando à história do bife, já por diversas vezes o bife me tinha vindo ter ao prato mal passado, todo vermelho por dentro, com um aspecto nojento, sem querer fazer aqui floreados à situação. Aquilo dava-me vómitos, deixava-me mal disposta só de ver, enjoada. Então se trincava aquela carne crua deitava tudo fora. Não dava mesmo.

 

Nesse dia voltou-me ao prato um bife mal cozinhado. Foi nesse exacto momento e perante essa mesma situação que não ia comer carne nunca mais na minha vida. Esta em casa a almoçar sozinha e tinha lá alguém. Não acabei a refeição e disse "Nunca mais vou comer carne. Não vale a pena voltarem a cozinhar carne para mim. Se for preciso eu mesma cozinho, mas isso não vou comer". Acabei por deixar também o peixe. Durante uns não toquei em nada de peixe, mas comia alguns moluscos. Não me perguntei porquê. Depois parei com isso e passado dois anos voltei ao peixe, porque os meus pais estavam sempre a insistir, e eu já estava farta de os ouvir falar no mesmo.

 

Portanto, estive alguns anos a comer peixe, não comia carne mas peixe sim, e depois voltei a deixar quando me aconteceu mais ou menos a mesma situação que com a carne.

 

Já não era a primeira vez que o sentia, mas uma vez estava no Norteshopping a jantar e tinha ido a um restaurante que eu gostava muito porque tinha comida decente, sem serem aquelas massas e sandes típicas dos shoppings. Lá pedi um peixe qualquer que não me recordo mas lembro-me de estar a comer e a ficar cheia de dor de cabeça, enjoada de comer e de ver aquilo à minha frente e com dor de estômago. Há quase um mês que me acontecia isso sempre que comia peixe (que era praticamente diário). E quando mastigava o peixe sentia-me como que a fazer algo de errado. A minha cabeça já não estava a aceitar aquela situação muito bem, e o meu corpo também não.

 

Eu costumo estar atenta aos sinais do meu corpo. Sei que ele, normalmente, reage bem ou mal perante um alimento ou outro. Sei que quando como pão fico inchada, que quando como muito de forma saudável normalmente não fico mal disposta, que quando bebo um copo de sangria fico com dor de cabeça ou de estômago no dia seguinte, que quando como chocolate ou azeitonas fico com a pele diferente, que quando como algo muito salgado começo de imediato a inchar, sei que se comer quinoa, arroz ou massa fico com fome passado 1 hora mas que se comer batata, doce ou não, fico mais tempo saciada, que se bebo refrigerantes o meu corpo se altera no dia seguinte... Por aí. Algumas dessas reacções são normais em mais pessoas, para outras poderá ser novidade.  Mas se ficarem atentos ao que acontece com alimentos específicos vão ver que sabem com que contar.

 

Deixei de comer peixe há cerca de 3 anos e nunca mais toquei em nenhum animal, só para fazer festinhas mesmo.

 

A partir do momento que não há introdução de carne no nosso corpo, o organismo começa a funcionar de uma forma mais perfeita. Senti sempre isso. Quando me tornei vegan então mais ainda.

 

O processo de vegetariana para vegana foi muito mais gradual do que o de "carnívora" para vegetariana por vários motivos, que passo a enunciar:

- adoro ovos

- adoro queijo

- adoro tudo que tenha ovos ou queijo

- adorava iogurtes

- e tomava whey, não achando particular piada às opções de ervilha e batata e salada russa (estou a brincar nesta última, mas por acaso nunca gostei de salada russa)

 

Não bebia leite desde... nem sei, não me lembro da última vez que bebi leite depois dos meus 13/14 anos, portanto não sei precisar. Portanto, leite não bebia, mas comia bolos, bolachas, iogurtes, queijos, proteína whey, barras e tudo que levasse leite. Quando deixei de comer peixe comecei a comer muito mais ovos. Foi aí que descobri as claras que se vendem em todo o lado agora, mas que há três anos era uma novidade que quase ninguém conhecia. Iogurtes também comia imensos, principalmente o iogurte grego do Lidl, que os "FIT" comiam nessa altura, em 2015 mais ou menos, e que ainda comem vá, assim como o queijo quark, que tinha sempre no frigorífico. Ou seja, tinha uma alimentação sem carne mas com muita proteína animal. E estava satisfeita com isso. Até que comecei a ver documentários sobre a carne. Já falei de alguns aqui inclusivamente, dos mais fortes, e que me fizeram mudar hábitos que considero menos bons, mas que na altura não tinha grande noção. Ainda hoje há coisas que tenho e que quero mudar, não apenas em termos alimentares mas no que se refere também a consumos de produtos. Mas isso será tema para outro artigo.

 

Quando criei o blog escrevi alguns posts onde falei sobre este assunto. O tema da carne, de deixar a carne, de deixar o peixe, se emagreci ou se engordei, se andei a tomar suplementos ou não, como substituía a carne e por aí.

 

Agora vou voltar ao assunto com alguns artigos que queria escrever há um tempo mas que ainda não tinham calhado. Não tanto sobre o assunto carne e peixe e eu mas sobre o vegetarianismo e veganismo no geral. Quero mostrar-vos que há mais para além da carne e peixe. Que não é preciso nenhum ser vivo morrer para nós vivermos. Que podemos viver todos, super bem alimentados com uma alimentação vegetariana ou vegana. Não quero obrigar ninguém a deixar de comer o que lhe apetece, nem nunca fiz esse papel. Mas quero que entendam e conheçam outras alternativas, porque as há. Há cerca de 120.000 vegetarianos em Portugal e 60.000 veganos, números de 2017. Não temos de ser todos iguais pois não? Então que tal sermos diferentes?

 

No próximo post irei falar sobre o tema "Porque é que viraste vegan?", e responder a todas as vossas questões. Se quiserem fazer alguma entretanto estão à vontade. 

5 comentários

Comentar post