Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

GO CAROL

BEM-ESTAR, FITNESS, COZINHA OVOLACTOVEGETARIANA, BEBÉS E A MINHA VIDA NO GERAL (E ÀS VEZES NO PARTICULAR)

GO CAROL

BEM-ESTAR, FITNESS, COZINHA OVOLACTOVEGETARIANA, BEBÉS E A MINHA VIDA NO GERAL (E ÀS VEZES NO PARTICULAR)

Seg | 27.06.22

Maternidade Solitária

Captura de ecrã 2022-06-17, às 19.02.46 (1).png

 

Outro tema que não é falado e que é necessário. A maternidade é mesmo muito solitária. Na maioria dos casos passam-se 5 meses (às vezes menos, às vezes mais) sozinha com um bebé que ainda não conhecemos, e que depende a 100% de nós.

Além desses meses há o depois, porque ter um filho é um trabalho para a vida toda e que nunca acaba. (A maior parte das vezes) sem ajuda, sem termos com quem falar, sem podermos partilhar as nossas dificuldades, as nossas dores, as chatices, os aborrecimentos e pequenos dramas do dia. Sim, porque a maternidade também é muito isso.

Ter um bebé e cuidar dele é muito cansativo. Há muitos momentos em que ficamos perdidas, sem saber o que fazer, sem saber o que querem, porque choram, porque não dormem,... E mesmo quando aparece alguém com quem possamos falar, essa pessoa, possivelmente, estará mais focada no bebé do que em nós e nos ouvir.

Não somos prioridade desde que o bebé nasce, mesmo que sem nós a sobrevivência do bebé fique um pouco comprometida, e que a outra parte (geralmente o pai) fique com a vida virada ao contrário se a mãe falhar. Exagero? Talvez não.

[Companheiros, agradeçam mais por terem alguém tão incrível ao lado, que sacrifica o tempo, o dia, A VIDA, para cuidar do (também) vosso filho, quase sempre, em detrimento do que gostava mesmo de fazer. Uma surpresa, um presente, um "obrigada" por dia era pouco para agradecer o que fazem pela VOSSA família.]

Esta tarefa solitária faz-nos ficar mais em casa, recusar saídas de dia ou de noite, alterar horários por causa do bebé, falar e estar menos com quem gostávamos, deixar para trás atividades... mudar de vida.

Não é só a vida do bebé que muda quando nasce, é a vida da mãe também. E não é o bebé que se tem de adaptar à vida dos pais, estes têm de se ajustar ao ritmo bebé, por muito parecido com o nosso que consigamos que fique.

A maternidade é uma dura tarefa e extremamente solitária que de cor de rosa nada tem. Não sei quem proliferou essa  ideia falaciosa mas temos de desmistificar isto.

 

#póspartodacarol

6 comentários

Comentar post