Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

GO CAROL

BEM-ESTAR, FITNESS, COZINHA OVOLACTOVEGETARIANA, BEBÉS E A MINHA VIDA NO GERAL (E ÀS VEZES NO PARTICULAR)

GO CAROL

BEM-ESTAR, FITNESS, COZINHA OVOLACTOVEGETARIANA, BEBÉS E A MINHA VIDA NO GERAL (E ÀS VEZES NO PARTICULAR)

Sab | 25.02.23

Abortar um bebé

[Fev de 2021]Abortar um bebé contra o nosso desejo é uma coisa absolutamente horrível. Não é só a dor física, que é (praticamente) igual à dor do parto, mas a dor psicológica. Saber que estou a expulsar o meu bebé que está morto, do meu corpo, é uma coisa terrível!

Explicando de forma muito simples, a médica deu-me duas opções: deixar que o meu corpo expulsasse o meu filho normalmente, o que poderia demorar dias ou quase um ano, ou tomar uns comprimidos que davam contracções e tinha "um parto" num dia, no meu caso em casa porque ainda era muito pequeno, noutros casos no hospital, com internamento e etc.

Escolhi a segunda opção.

Passado 8 minutos de pôr os comprimidos já estavam a atuar. As contrações eram imensas. As dores também. Só queria que aquilo acalmasse, mas não acalmava, só piorava. Tinha tantas dores que quase não me conseguia mexer.

Saia tanto sangue e eu estava tão branca que a minha mãe achou que eu ia desmaiar. Não aconteceu.

Nunca cheguei a perceber quando é que o embrião deixou o meu corpo, mas acabou por sair.

Passado umas horas, quando as dores atenuaram, deitei-me no sofá e ali fiquei, acabando por adormecer um bocadinho. Almocei uma sopa perto das 18h e no dia seguinte estava melhor, mas só fisicamente.

Dois dias depois tive uma consulta com a minha médica para ver se o meu bebé já não estava comigo. Caso contrário teria de repetir o processo, e se não voltasse a correr como esperado teria de fazer uma raspagem, e outra e outra, até sair.

Eu sabia que o bebé já não estava comigo, apesar de nunca ter visto nada que o comprovasse a sair do corpo. E de facto tinha razão.

Mesmo que na altura quisesse que o meu primeiro filho fosse rapaz, e não soubesse o sexo do bebé, porque não chegou às 12 semanas, senti sempre que era uma menina. E será sempre uma menina.

(Continua)

#asbebésdacarol

 

Captura de ecrã 2023-01-30, às 14.28.09.png

Publicação aqui no Instagram @carolinagomesdasilva