Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

GO CAROL

BEM-ESTAR, FITNESS, COZINHA OVOLACTOVEGETARIANA E A MINHA VIDA NO GERAL (E ÀS VEZES NO PARTICULAR)

Mousse proteica de Manga e Cajá

O tempo bom está a chegar portanto as receitas frescas não podem faltar. Hoje resolvi trazer-vos uma mousse proteica de manga e cajá. Talvez pareça uma mistura estranha mas acabou por resultar bem.

Querem experimentar? Ora vejam como se faz e o que é necessário para a preparação.

 

 

Para esta receita são necessários:

- Uma manga congelada

Polpa de Cajá da Basfrut - deixo a imagem abaixo

- 1 scoop de proteína sabor chocolate - usei esta e têm 10% na Prozis com o cupão FFFF-10

- 100g de queijo quark vegetal da Provamel  - ou queijo quark de origem animal, como prefiram  deixo a imagem abaixo

- 1/2 colher de sobremesa de Canela - opcional

 - 1 colher de café de goma de xantana ou agar agar (opcional, mas se colocarem a mousse fica mais cremosa) ou 1 folha de Gelatina incolor (podem fazer esta opção em todas as mousses que publiquei até agora)

 

Coloca-se tudo no liquidificador e bate-se até formar a mousse. Se optarem pela folha de gelatina dissolvam num pouco de água e adicionem à mistura, voltando a bater. 

Vai ao frigorífico cerca de 10 minutos para ficar mais sólida (pode ir mais tempo claro) e está pronta a ser consumida.

 

IMG_7637.JPG

 

IMG_7639.JPG

 399852-quark-de-soja-bio-4000-gramas-kg-provamel.jpg

 

caja_2.png

Um foodie sendo foodie - Pé d´Arroz

 

Pé D'Arroz Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

Fui ao Pé d´Arroz, fi-nal-men-te! O espaço é muito engraçado, calmo e agradável. Se não formos atentos dificilmente damos com ele até porque a fachada, de uma casa normalíssima, acaba por esconder o restaurante.

Com uma sala bem grande para almoço, com mobiliário confortável, pessoal simpático e atento, que explicou logo o funcionamento do bufett e nos disse que podíamos ir servir-nos do que quiséssemos, sendo que as bebidas e sobremesas seriam pagas à parte. Gosto do conceito. Adoro buffets. Adoro ir servir-me as vezes que quiser, do que quiser. Gosto mesmo muito, portanto estava na minha praia, como se costuma dizer.

Provei tudo. Francesinha, feijoada de seitan, penne com chouriço de soja e uma sopa de legumes. As entradas eram mais fraquitas para o que estava à espera, não deixando de ser muito boas. Constituídas por folhadinhos de algo que me parecia ser soja, salada de alface, tomate, grão de bico, azeitonas, uns shots de beterraba e de ervilha e pão de azeitonas que veio ter à mesa.

 

Para sobremesa um pudim de chia com puré de manga, pistachos e morangos. Melhor coisa de sempre!!!

Gostei muito mas não considero o melhor vegetariano do Porto. Sim, eu tenho um favorito e já falei dele aqui no blog, no entanto irei voltar certamente,

 

IMG_7332.JPG

 

IMG_7334.JPG

 

IMG_7335.JPG

 

IMG_7338.JPG

 

IMG_7341.JPG

Pataniscas de grão de bico

A receita de hoje é para uma refeição rápida e fácil de fazer. Trata-se de uma receita sem lactose, sem glúten e 100% vegetal. Como podem ter percebido pelo título a receita é de pataniscas de grão de bico. Passemos ao que interessa.

 

 

Ingredientes para 10/13 unidades:

- Uma lata de grão de bico - Usei da marca Compal - Se optarem por grão de bico embalado em vez de enlatado são 400g

- Uma cenoura média

- Duas colheres de sopa de linhaça moída

- Seis colheres de sopa de farinha de tapioca - em alternativa podem usar farelo de aveia

- 150 ml de água 

- Uma cebola

- Meia colher de café de açafrão

- Salsa a gosto

 

 

IMG_9816.JPG

 

Começar por escorrer o grão, ou cozê-lo, caso seja embalado. 

Misturar todos os ingredientes, sendo que a salsa deve ser picada e a cenoura ralada.

A massa das pataniscas vai à frigideira anti-aderente. Podem usar óleo de coco para untar a mesma, caso contrário vão ponto pequenos bocadinhos da massa até ficar como está na fotografia abaixo, douradinha de ambos os lados.

 

IMG_9775 (1).JPG

Mousse de Papaia

IMG_4034.JPG

 

Estão a ver o aspecto "da coisa"? É o que tenho para vocês hoje! Uma mousse de papaia protéica mas sem proteína em pó. Confusos? Ora vejam como se prepara e já vão perceber tudinho.

 

 

Para esta mousse precisam de:

- 500g de papaia

- 150ml de claras - desconto com cupão FFFF-10

- 1 colher de café de goma de xantana

- Uma colher de sobremesa de canela em pó

  

Coloca-se a papaia com a canela no liquidificador e bate-se uns segundos até ficar líquida. 

Enquanto isso batem-se as claras em castelo. Quando estiverem prontas junta-se a goma de xantana e volta-se a bater. Quando estiverem bem consistentes junta-se a papaia batida e mistura-se com cuidado, preferencialmente com uma colher de pau.

Assim que estiver tudo bem misturado é só pôr no frigorífico por umas horas para a mousse ficar mais consistente e mais fresca. Se tiverem muuuita pressa também podem comer de seguida, mas tentei ter a papaia e as claras no frigorífico antes para não estar demasiado quente, que não é tão boa assim. 

 

IMG_4035.JPG

 

No final coloquei um topping de pepitas de cacau cru com açúcar de coco e amoras brancas, ambos da Iswari (têm desconto no site com o código CGS). Ficou uma delícia!!!

 

IMG_4036 (3).JPG

Bolo de Cenoura e Laranja

Oiiii pessoal! Hoje tenho uma receita saudável para vocês. Trata-se de uma sobremesa, lanche ou até um possível pequeno almoço, para os mais gulosos.

É um bolo de cenoura e laranja que não tem açúcar, farinha de trigo, leite, ovos, manteiga,... É 100% vegan e 100% saudável! Toca a apontar a receita.

 

 

Para um bolo (cerca de 12 a 15 fatias médias) necessitam de:

1 laranja grande

100g de cenouras

50ml de azeite

200g de tâmaras

3 colheres de sopa de linhaça

50g de farinha de arroz/tapioca/milho

150g de farinha de aveia

400 de água



Tritura-se a linhaça. Num processador de alimentos adiciona-se a casca da laranja e todos os ingredientes secos. Tritura-se até se obter uma massa homogénea de textura fina. Adiciona-se a laranja descascada e tritura-se bem.

Ao preparado anterior junta-se o azeite e a água, mexendo-se bem.

Coloca-se numa forma forrada com papel vegetal e leva-se ao forno a 180º, cerca de 40 minutos.

Depois é só deixar arrefecer e está pronto a comer.

 

IMG_7722.JPG

 

Esta receita foi adaptada do livro de receitas vegan da Magda Roma que podem encontrar clicando aqui.

Food Inc., e mais uma cruel realidade

"A indústria não quer que se saiba a verdade sobre o que está comendo, porque se soubesse, talvez não quisesse comer."

Food Inc.

 

O caso do McDonalds é o primeiro que "vem à baila". Já repararam que toooooodos os hambúrgueres desta cadeia (des)alimentar sabe ao mesmo? Já não como um hambúrguer de carne lá há quase dez anos, mas lembro-me perfeitamente do seu sabor, e comesse um ou dez hambúrgueres o sabor era o mesmo, a carne era sempre igual! Como é que isto é possível na América, que é tão grande? Como é que é possível um hambúrguer em Portugal saber exactamente ao mesmo de um em Espanha, França ou Nova Iorque? Como é que a carne pode seeeempre saber igual, tendo em conta que apenas é grelhada, sem molhos nem nada que lhe altere o sabor? Pois bem, já vos explico. 

 

 

"A comida tornou-se muito mais perigosa, de formas que estão a ser deliberadamente escondidas de nós"

 

 

A carne de vaca que os "reis do fast food" usam é alterada. Pois é. Afinal não é assim tão bom como se pensa. Ah e tal, é só pão com um bife grelhado no meio, uma rodela de tomate, uma fatia de alface e outra de queijo. Se calhar a carne é uma bela porcaria. Para que saibam há pior que isto. Quem não vai ao McDonalds mas consome carne de algumas embaladoras americanas, como a Tyson, Swift, Cargill e National Beef, que controlam mais de 80% do mercado Americano, está a ser enganado na mesma, com esta carne modificada. Ah e a carne de vaca não é a única com este "pequeno" problema. Com a carne de porco acontece o mesmo.

 

 

"Neste país comer bem fica mais caro do que comer mal"

 

 

A indústria alterou ainda a forma como as galinhas são produzidas. "Hoje em dia as aves são criadas e abatidas em metade do tempo que eram há 50 anos, mas agora têm o dobro do tamanho. As pessoas gostam de carnes brancas por isso desenharam as galinhas de forma a terem peitos grandes".

 

 

foodinc_promos_2.jpg

 

A produção de milho é outro assunto que é abordado neste documentário. Fazem ideia de quantos produtos contém milho? Vamos lá então: Ketchup, queijo, pilhas, manteiga de amendoim, molhos para saladas, coca cola, geleias, xaropes, sumos, fraldas, carne e fast food. O milho é um alimento que pode ser decomposto e devido ao amido do milho podemos criar maltodextrina, frutose/xarope de milho, goma de xantana, ácido ascórbico, frutose, sacarose, extrato de baunilha,... E ainda é possível alimentar os animais com ele. A produção do milho barato, abaixo do custo de produção, que alimenta carne e alguns peixes fez com que se pudessem baixar os preços desses alimentos.

 

 

"Queremos pagar o preço mais baixo pela nossa comida mas não entendemos que isso tem um custo"

 

 

O tema "E-Coli" que certamente toda a gente ouviu falar, uma bactéria que estava na carne, é tratado de forma um pouco chocante, com o depoimento de uma mãe cujo filho foi infectado pela bactéria após comer um hambúrguer.

O primeiro sintoma foi "sangue na diarreia", o que levou a mãe ao hospital com o filho. Na realidade o menino acabou por morrer. Tudo porque comeu um hambúrguer cuja carne estava infectada com a bactéria E-Coli.

 

 

Mudando agora um pouco de assunto como é possível um hambúrguer custar apenas 1 dólar, o mesmo que duas peças de fruta?? Considero isto um atentado à saúde pública. Sim porque é ridículo o preço do hambúrguer principalmente quando comparado com alimentos saudáveis e que acrescentam à nossa vida, ao contrário do fast food que nada tem de positivo. Estes últimos nem se deviam chamar alimentos, porque não alimentam, enchem a barriga, o que por um lado é igual mas se pensarmos bem não é exactamente o mesmo. Estes produtos deviam ser altamente taxados, inspeccionados e se possível retirados do mercado o mais rapidamente possível.

 

 

"Estamos dispostos a subsidiar o sistema alimentar para criar o misticismo de alimentos baratos, quando na realidade são alimentos muito dispendiosos. Quando se somam os custos ambientais, os custos sociais, os custos para a saúde, os alimentos industriais não são alimentos honestos"

 

 

Podia estar aqui até ao mês que vem a falar do documentário e de todas as barbaridades que são feitas aos animais em prol da suposta sobrevivência do ser humano, de que dos animais nada depende. Agora cabe a cada um tomar as suas próprias decisões. Mas antes de o fazerem vejam o documentário Food Inc. completo que deixo abaixo.

 

Modern Foodies

O que é nacional é bom, sempre ouvi dizer e até agora não tenho razão de queixa. 

 

IMG_8940.JPG

 

Com a @modernfoodies é igual. Esta nova marca Portuguesa com ingredientes 100% saudáveis e que já fazem parte da vida de muitos de nós estão agora disponíveis já prontos a consumir.

 

IMG_8932.JPG

 

A marca é de Lisboa mas envia para TODO O PAÍS caso o que peçam não necessite de refrigeração. É o caso dos biscoitos, muffins, pão, granola, crackers, barrinhas de sementes, bolinhas de hummus e quinoa, entre muitaaas outras coisas. Brownie de batata doce, bolas cruas e barras cruas energéticas são mais algumas opções que encontram nesta linda página que além dos produtos serem fantásticos só tem fotografias bonitas.

 

  IMG_8931.JPG

 

O que experimentei era vegetariano mas existem outras opções para quem não está na minha onda. Tudo que provei era realmente fantástico! 

 

IMG_8930.JPG

 

Conheçam esta marca e apaixonem-se!! Cá em casa estamos fãs! Atrevam-se a experimentar. Não se vão arrepender!

 

 IMG_8929.JPG

 

 

IMG_8939.JPG 

Beringelas recheadas com cogumelos

Saborosa, saudável, nutritiva e simples. É assim que defino esta receita.

 

Para duas doses só necessitam de:

- 1 beringela grande

- 1 dente de alho

- 1/2 cebola 

- 2 colheres de sopa de molho de tomate

- 150g de cogumelos brancos e/ou portobello

- 3 colheres de sopa de natas de soja ou molho de soja branco ou leite de coco

- Pimenta q.b ou outras especiarias

 

IMG_9726.JPG

 

IMG_9724.JPG

 

IMG_9723.JPG

 

Lava-se a beringela e corta-se ao meio, na vertical. Extrai-se a polpa com cuidado para não perfurar a casca.

Pica-se a polpa da beringela.

 

Numa frigideira, com um fio de azeite, refoga-se em lume brando o alho e a cebola até ficarem transparentes.

Junta-se a polpa da beringela, o molho de tomate, o mais um fio de azeite e mexe-se. Deixa-se cozinhar por 3 minutos e acrescentam-se os cogumelos laminados e cortados em pedaços. Quando estiverem bem macios mistura-se uma colher de sopa de natas de soja e tempers-se com pimenta.

 

Aquece-se o forno a 200º, pincela-se o interior das beringelas com azeite e coloca-se no tabuleiro forrado com papel vegetal. Vão ao forno entre 15 e 20 minutos até ficarem tenras.

 

Recheia-se as metades da beringela com o preparado de cogumelos e deita-se 1 colher de sopa de natas em cada uma, distribuindo-se depois os tomates cortados a meio.

 

Vai novamente ao forno para gratinar durante 15 minutos. Está pronto a servir, como entrada ou prato principal. Utilizei a receita de "Húmus de Grão" para acompanhar.

 

IMG_9696.JPGIMG_9694.JPG

 

Lembrem-se que em dias longos é sempre melhor utilizar produtos mais frescos. Saibam mais aqui em abaixo.

 

 

A receita foi adaptada do livro de Gabriela Oliveira, "Cozinha vegetariana para quem quer poupar", e podem encontrá-lo aqui.

#comigoninguémficafitasério - Semana gastronómica - Parte VI

Só mais uma. Só mais uma....Não... Isto não tem fim...

 

IMG_6676 (1).JPG

 

IMG_6677 (1).JPG

 

IMG_7299.JPG

 

IMG_7332.JPG

 

IMG_7334.JPG

 

 

 

IMG_7338.JPG

 

IMG_7341.JPG

 

PZRR7845.png

 

IMG_6673.JPG